Nas ruas
15/07/2009

Edifício São Vito será implodido em até 6 meses

Adriana Ferraz
do Agora

Dois dos principais símbolos da degradação do centro de São Paulo podem ser demolidos ainda neste ano. A prefeitura anunciou a escolha da empresa que implodirá os edifícios São Vito, conhecido como treme treme, e Mercúrio, na avenida do Estado. A Arcoenge Ltda. --que participou da implosão da Casa de Detenção do Carandiru-- vai receber R$ 9,2 milhões e terá um prazo de seis meses para executar o serviço.

O contrato, que deve ser assinado nos próximos dias, prevê ainda a demolição de outros 45 imóveis no perímetro formado pelas avenidas do Estado e Mercúrio, praça São Vito e ruas Carlos Garcia e Luiz Camões. Toda a área dará lugar a uma praça que interligará o Palácio das Indústrias --onde funciona, atualmente, o Museu Catavento-- e o Mercado Municipal, na margem oposta do rio Tamanduateí.

Fabio Braga/Folha Imagem
Odon Lima, zelador de um prédio que será derrubado
Odon Lima, zelador de um prédio que será derrubado

Demolição
Segundo a Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras, a revitalização do parque Dom Pedro 2º também inclui a demolição do viaduto Diário Popular, que será trocado por dois pontilhões sobre o rio. A praça, com orçamento previsto de R$ 90 milhões, terá área de 5.000 m2, espelho-d'água e acesso para três níveis subterrâneos --dois para estacionamento e um para lojas e auditório.

O projeto não é novo, está prometido desde a gestão da ex-prefeita petista Marta Suplicy (2001-2004). De lá pra cá, os moradores já receberam diversas notificações que indicavam a saída forçada dos imóveis. O mais famoso deles, o São Vito, está vazio desde 2004, quando uma vistoria condenou o local. O prédio, de 27 andares, já chegou a abrigar mais de 3.000 pessoas e tornou-se símbolo da luta pela revitalização do centro.

O vizinho Mercúrio possui as mesmas características: apartamentos pequenos, do tipo quitinete (quarto e cozinha), destruídos por falta de manutenção. "Não dá mesmo para morar lá. Está tudo quebrado por causa das invasões", diz o ex-morador Wilson Jesus Trindade, 41 anos.

O camelô mudou-se para o prédio da frente e, mais uma vez, prevê que terá de fazer as malas. "É uma pena ver o que aconteceu com essa área. Sou a favor da reforma, mas precisa demolir tudo para construir uma praça. Só vai dar mendigo aqui", afirma.

O prazo de seis meses também é contestado por quem vive no local. "Será que dessa vez eles derrubam? A prefeitura já falou tantas vezes que a gente não acredita. De todo jeito, se acontecer, vai dar saudade. Trabalho como zelador aqui há 18 anos. Nem imagino esse cruzamento sem o prédio", disse Odon Bezerra Lima, zelador do edifício Francisco Herrerias, na esquina das avenidas do Estado e Mercúrio.

100 Serviços

Índice

PUBLICIDADE

21/11/2018

Queda de muro expõe caixões

Cratera surge em cruzamento na região central

Futuro ministro da Saúde faz críticas ao Mais Médicos

Ouvidoria investigará ação da PM em baile com 3 mortes

Veja como fica o trânsito com o bloqueio na marginal

20/11/2018

Haddad vira réu sob acusação de lavar grana e corrupção

Três morrem pisoteados em pancadão em Guarulhos

Médicos brasileiros e cubanos se equivalem no Revalida

Macacos hidráulicos serão usados para erguer viaduto

18/11/2018

Médico negro desafia a mãe e vira raridade na periferia

Parques para cachorros têm problemas de conservação

3 meninas morrem afogadas na represa Guarapiranga

Trens voltam a circular e trânsito terá prova de fogo

17/11/2018

Déficit habitacional desafia a futura gestão Bolsonaro

Redes de lanchonete estão abolindo os canudinhos

Viaduto cede mais um pouco e Covas cria comitê de crise

Feriado prolongado leva multidão à rua 25 de Março

Será difícil repor vagas, diz ex-chefe do Mais Médicos

Linha da CPTM é afetada e população é prejudicada

Gestão Covas diz que viaduto na marginal pode desabar

16/11/2018

Prainhas de represas acumulam lixo e reclamações

Pista da marginal Pinheiros é fechada após viaduto ceder

Prefeitura diz que 33 pontes precisam passar por reforma

População teme ficar sem médico com saída de cubanos

15/11/2018

Justiça decreta a prisão de suspeito de matar médico

Venezuelanos relatam roubos e agressões em albergue

Família leva horas para o litoral

Praia Grande está imprópria para o banho no feriadão

Covas reduz previsão de crianças que receberão leite

14/11/2018

Comerciante é morto ao cair em golpe de falso anúncio

Doria ignora promessa e põe general na Segurança Pública

Perícia aponta excesso de peso em acidente em parque

Cai número de estudantes com passe livre na capital

13/11/2018

Farmácia de alto custo no ABC tem fila de até 5 horas

Prefeitura estipula valor do Anhembi cinco vezes menor

Ladrões acharam que médico era policial, diz testemunha

11/11/2018

AMAs reabertas têm 3 horas de espera no atendimento

Verba da decoração de Natal tem que estar no orçamento

Ruas de comércio popular viram lixão após expediente

10/11/2018

Rinite alérgica não tem cura, mas pode ser bem controlada

Gringos viram motoristas de aplicativo em busca de renda

Médicos querem ampliar cirurgia contra impotência

Promotoria vai à Justiça para transferir chefes de facção

Projeto cria calçada lúdica no caminho para a escola

Motorista é indiciada por acidente que matou família

Covas articula votação da previdência municipal a jato

Bandidos fazem arrastão em posto de saúde na Brasilândia

09/11/2018

MC Gui e familiares investigados por golpe

Ampliar acesso a arma não reduz mortes, dizem estudos

MST é terrorista, diz futuro secretário da Agricultura

Mais notícias: 1 2 3 4 5 Próximo

De que você precisa?

Copyright Agora. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação,
eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br).