Nas ruas
30/03/2009

Prefeitura paga R$ 71 por medicamento de R$ 6

Folha de S.Paulo

A Prefeitura de São Paulo pagou até 994% a mais por remédios e produtos hospitalares entre 2003 e o ano passado. O esquema, que teria a participação de servidores, beneficiou ao menos três empresas, que atuariam numa espécie de cartel para fraudar licitações.

As fraudes foram descobertas pela própria Secretaria Municipal da Saúde, que montou uma comissão de investigação após ser alertada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público Estadual.

A comissão finalizou na semana passada um relatório parcial, obtido pela reportagem, que apontou irregularidades em oito dos 50 processos analisados. Essas oito compras representam gastos de R$ 6 milhões.

Outros 137 processos ainda estão em fase de apuração. O relatório parcial não apresenta nome de nenhum servidor porque está sob sigilo.

No caso mais absurdo, em 2007, a prefeitura pagou<qj> R$ 71,10 para cada caixa de Fluconazol, medicamento usado contra infecções, que era encontrado na distribuidora a R$ 6,50. Somente em fevereiro, a prefeitura comprou 1.050 cartelas do Fluconazol iguais à apresentação do contrato. Em uma única compra, o desvio de dinheiro chegaria a R$ 67 mil.

As licitações sob investigação têm a participação de seis empresas -Embramed, Biodinâmica, Vida's Med, Halex Istar, Home Care Medical e Velox. Todas estão impedidas de firmar contratos com a prefeitura até o fim da apuração.

No caso da compra do medicamento Levofloxacino, fornecido pela Halex, os auditores dizem haver mais evidências de superfaturamento.

Com base em pesquisa em outros órgãos, concluiu-se que a secretaria pagava bem mais, R$ 64,90 por embalagem, do que outras unidades -o Hospital Samaritano pagava R$ 25 e o Santa Catarina, por exemplo, R$ 49.

Em outro processo de compra que evidenciaria superfaturamento, a empresa contratada havia feito oferta de R$ 3.767, mas acabou recebendo exatos R$ 15,7 mil, para surpresa da comissão. "Não [se] justifica a diferença", diz o documento da comissão da secretaria.

Um dos processos, para a compra de alguns tipos de soro, também apontou que os preços eram até 46% maiores do que os praticados no mercado, inclusive em vendas para outros órgãos de governo.

Esse mesmo processo de compra revelou um problema ainda mais grave -os produtos entregues eram de "qualidade duvidosa" e o pedido de substituição ainda se encontrava "em andamento", o que corrobora a tese do Ministério Público, de que as empresas sob suspeita trabalhavam com materiais de baixa qualidade.

Outro caso emblemático, conforme o relatório da comissão, ocorreu na licitação para mobiliar o Hospital Cidade Tiradentes (zona leste de SP). No valor de R$ 3,889 milhões, foi obtido em agosto de 2006 pela Home Care Medical.

O relatório afirma que o edital já era irregular, porque não exigia certidão negativa de débitos públicos das empresas. Além disso, quatro empresas que disputaram a licitação "apresentaram preços praticamente iguais" nos 34 itens. Em 13 itens, os preços eram "idênticos", indício de combinação prévia entre as empresas. Um inspeção realizada pela comissão no hospital descobriu que jamais haviam sido entregues 128 armários do tipo roupeiro que já haviam sido pagos.

Em outro caso, o mesmo funcionário que requisitou a contratação do serviço conduziu a licitação, dando margem para mais suspeitas. Esse contrato, de R$ 712 mil, para a manutenção de equipamentos cirúrgicos, foi vencido pela Biodinâmica em 20008.

Índice

PUBLICIDADE

17/07/2018

Tempo seco coloca capital em atenção

Facção dava ordens de prisão com bloqueador de celular

Radialista morre após ser arremessado de brinquedo

Pontos de descarte irregular de entulho já superam 2017

16/07/2018

Motorista atropela corredor em ciclofaixa de domingo

Mortalidade infantil no país sobe pela 1ª vez desde 1990

Transplantes realizados no Brasil têm aumento de 6%

Bicicletário da CPTM funciona, mas tem falhas em banheiros

Encomendas extraviadas no prédio devem ser ressarcidas

15/07/2018

Casal é preso após matar grávida e roubar criança

Criar abelhas sem ferrão em casa vira hábito na capital

Croatas comemoram serem reconhecidos por brasileiros

Gastos e varrição encolhem nos cem dias de Bruno Covas

Automedicação é perigosa e pode levar paciente à morte

14/07/2018

Vandalismo em semáforos já supera todo o ano passado

Moradora é presa acusada de facilitar assalto em prédio

Família espera liberação de corpos nove dias após incêndio

Parques da periferia ficam fora de primeira concessão

13/07/2018

Vendedora está desaparecida

Gerente morre após cair no golpe 'boa noite, Cinderela'

Previdência municipal trava na Câmara e preocupa Covas

CEUs parados têm sujeira e atraem usuários de drogas

Espera por consulta com especialista chega a cinco meses

12/07/2018

Celular dentro da cueca salva caminhoneiros sequestrados

IPTU devido por clubes é igual a rombo de máfia dos fiscais

Burocracia barra morador de rua em abrigo municipal

Em 3 meses, Covas concentra compromissos no gabinete

11/07/2018

Família morta em acidente iria passar férias em sítio

Temperaturas caem e capital pode registrar mínima de 6°C

Trem de Cumbica equivale a ônibus em total de usuários

Católicos se mobilizam contra privatização de cemitérios

10/07/2018

Carros batem de frente e sete morrem em Guarulhos

Universitário é morto em assalto na rua Frei Caneca

Após 15 anos, desafio do Estatuto do Idoso é seguir lei

SUS usa linha de produção para aliviar prontos-socorros

09/07/2018

Máquinas recusam recarga de Bilhete Único em dinheiro

Jovem suspeito de matar pai e irmã a facadas é linchado

Matemática agrava abismo entre as escolas no Enem

Funcionários e calote deixam taxa de condomínio mais cara

08/07/2018

Clínicas populares de saúde crescem na onda da crise

Pinacoteca abre as portas a artistas moradores de rua

Projeto em Mauá ensina idosas a andar de bicicleta

Motorista bêbado entra na contramão e mata motoboy

Escolher o colchão certo para dormir evita danos à coluna

07/07/2018

Polícia conclui caso e acusa trio por assassinato de Vitória

PCC treinava integrantes para montar e usar explosivos

Licitação para a concessão de seis parques é suspensa

Médicos do estado relatam equipes reduzidas e lotação

06/07/2018

Aposentados pintam tombo de Tite em rua de São Caetano

Traficante teria dado ordem a suspeitos no caso Vitória

Mais notícias: 1 2 3 4 5 Próximo

De que você precisa?

Copyright Agora. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação,
eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br).