Nas ruas
30/03/2009

Prefeitura paga R$ 71 por medicamento de R$ 6

Folha de S.Paulo

A Prefeitura de São Paulo pagou até 994% a mais por remédios e produtos hospitalares entre 2003 e o ano passado. O esquema, que teria a participação de servidores, beneficiou ao menos três empresas, que atuariam numa espécie de cartel para fraudar licitações.

As fraudes foram descobertas pela própria Secretaria Municipal da Saúde, que montou uma comissão de investigação após ser alertada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público Estadual.

A comissão finalizou na semana passada um relatório parcial, obtido pela reportagem, que apontou irregularidades em oito dos 50 processos analisados. Essas oito compras representam gastos de R$ 6 milhões.

Outros 137 processos ainda estão em fase de apuração. O relatório parcial não apresenta nome de nenhum servidor porque está sob sigilo.

No caso mais absurdo, em 2007, a prefeitura pagou<qj> R$ 71,10 para cada caixa de Fluconazol, medicamento usado contra infecções, que era encontrado na distribuidora a R$ 6,50. Somente em fevereiro, a prefeitura comprou 1.050 cartelas do Fluconazol iguais à apresentação do contrato. Em uma única compra, o desvio de dinheiro chegaria a R$ 67 mil.

As licitações sob investigação têm a participação de seis empresas -Embramed, Biodinâmica, Vida's Med, Halex Istar, Home Care Medical e Velox. Todas estão impedidas de firmar contratos com a prefeitura até o fim da apuração.

No caso da compra do medicamento Levofloxacino, fornecido pela Halex, os auditores dizem haver mais evidências de superfaturamento.

Com base em pesquisa em outros órgãos, concluiu-se que a secretaria pagava bem mais, R$ 64,90 por embalagem, do que outras unidades -o Hospital Samaritano pagava R$ 25 e o Santa Catarina, por exemplo, R$ 49.

Em outro processo de compra que evidenciaria superfaturamento, a empresa contratada havia feito oferta de R$ 3.767, mas acabou recebendo exatos R$ 15,7 mil, para surpresa da comissão. "Não [se] justifica a diferença", diz o documento da comissão da secretaria.

Um dos processos, para a compra de alguns tipos de soro, também apontou que os preços eram até 46% maiores do que os praticados no mercado, inclusive em vendas para outros órgãos de governo.

Esse mesmo processo de compra revelou um problema ainda mais grave -os produtos entregues eram de "qualidade duvidosa" e o pedido de substituição ainda se encontrava "em andamento", o que corrobora a tese do Ministério Público, de que as empresas sob suspeita trabalhavam com materiais de baixa qualidade.

Outro caso emblemático, conforme o relatório da comissão, ocorreu na licitação para mobiliar o Hospital Cidade Tiradentes (zona leste de SP). No valor de R$ 3,889 milhões, foi obtido em agosto de 2006 pela Home Care Medical.

O relatório afirma que o edital já era irregular, porque não exigia certidão negativa de débitos públicos das empresas. Além disso, quatro empresas que disputaram a licitação "apresentaram preços praticamente iguais" nos 34 itens. Em 13 itens, os preços eram "idênticos", indício de combinação prévia entre as empresas. Um inspeção realizada pela comissão no hospital descobriu que jamais haviam sido entregues 128 armários do tipo roupeiro que já haviam sido pagos.

Em outro caso, o mesmo funcionário que requisitou a contratação do serviço conduziu a licitação, dando margem para mais suspeitas. Esse contrato, de R$ 712 mil, para a manutenção de equipamentos cirúrgicos, foi vencido pela Biodinâmica em 20008.

Índice

PUBLICIDADE

19/01/2018

Guarda-civil é assassinado durante assalto em Diadema

Motorista de Cristiano Araújo é condenado por homicídio

Greve para linhas do metrô em dia de briga na Justiça

Vacinação da febre amarela é antecipada pela segunda vez

18/01/2018

CET reduz tinta vermelha em nova ciclovia

Polícia investiga carcereiro por atropelamento de idoso

Greve de 24 horas deve parar quatro linhas do Metrô hoje

Morto com suspeita de febre fez peregrinação em hospitais

Pacientes madrugam na fila por vacina da febre amarela

17/01/2018

Empresário é sequestrado e morto por causa de dívida

Regional pede demissão após uso de carro fora da função

Moradores reclamam de lixão na zona norte

Posto de saúde na zona oeste não faz raio-X há dois meses

Governo antecipa vacinação fracionada da febre amarela

16/01/2018

Idoso morre atropelado em racha na Vila Madalena

Funcionário fica com bomba em assalto a banco

Haddad é indiciado por suspeita de uso de caixa 2

Morador de Taboão morre de febre amarela na Bahia

Motorista tem até 14 de abril para parcelar multa da capital

15/01/2018

Prédio pode cobrar e limitar uso de quadras esportivas

Ônibus invade acostamento de rodovia e mata ciclista

Pré-Carnaval com 15 blocos de rua arrasta multidão no fim de semana

PM dispersa foliões com balas de borracha e bombas

Tire 50 dúvidas sobre a febre amarela

Sete em cada dez bueiros causam riscos a pedestres

14/01/2018

Vacinação tem espera de 2 h e desrespeito a fila de idoso

Vai-Vai colocará em alegoria atleta com pernas biônicas

Grupo faz bordado e crochê para enfeitar muros e postes

Atividades que fazem sorrir ajudam pacientes com câncer

Vertigem pode ser o sintoma de alguma doença mais grave

13/01/2018

Suzanne pode cumprir pena em liberdade, aponta laudo

Homem passa dois dias com dentadura presa na garganta

Doria cobra até R$ 22 mil de IPTU atrasado em Cohab

Estado já tem 21 mortes por febre amarela desde 2017

Idoso precisa de avaliação médica para tomar vacina

12/01/2018

15 artistas brasileiros são mais ouvidos no exterior

Policial diz que dirigia Camaro e nega racha na Imigrantes

Moradores vão a parque mesmo sem tomar vacina

Vacinação em farmácias pode até parar na Justiça

Passageiros evitam beirada de plataformas no metrô

Ônibus intermunicipais vão subir até 4,95% na 3ª feira

11/01/2018

Regras para aplicativos não saem do papel

Mulher empurrada no metrô diz ter escapado de 4 vagões

Homem quebra ambulâncias com taco em base do Samu

Racha na Imigrantes deixa duas passageiras mortas

Postos vivem nova corrida por vacina da febre amarela

10/01/2018

Regras do Uber começam hoje com liminar na Justiça

Mais 4 pessoas morrem por febre amarela no Estado

Vacina da febre amarela será oferecida em mais 52 cidades

Passageira se salva após ser empurrada no metrô

Mais notícias: 1 2 3 4 5 Próximo

De que você precisa?

Copyright Agora. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação,
eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br).