Nas ruas
20/09/2010

Alckmin afirma que vai ampliar o 'bico oficial'

Camila Brandalise
do Agora

Se voltar a governar o Estado, o tucano Geraldo Alckmin (PSDB), 57 anos, promete tecnologia para aumentar a capacidade de investigação da polícia e reduzir a sensação de insegurança do paulista. Ele ainda diz que vai incentivar o 'bico oficial' dos PMs.

Agora - Seu plano de governo prevê ampliar as chamadas atividades delegadas. Como o senhor fará isso? Em quais cidades?
Geraldo Alckmin - Sim, porque a atividade delegada deu certo em São Paulo, em parceria com a prefeitura. O policial recebe R$ 1.000 a mais. A população ganha porque é mais polícia na rua fazendo prevenção. E nós pretendemos expandir isso para todo o Estado de São Paulo.

Agora - Em quais cidades?
Alckmin - Isso não está definido. Será onde houver necessidade.

Agora - Pagar policiais não é uma função do Estado? Por que passar isso para a prefeitura?
Alckmin - Eu acho que é uma parceria, porque o município tem um papel importante na segurança pública. Acho que quanto mais o Estado e as prefeituras estiverem integrados na questão da segurança, melhor.

Agora - Alguns índices de criminalidade, como homicídio, caíram em São Paulo. Em compensação outros aumentaram, como roubos na saída dos bancos. Como o senhor explica isso, e como fazer para combater esse quadro?
Alckmin - Essa é uma guerra em que você tem que vencer uma batalha todo dia. A cidade de São Paulo era a quinta entre as capitais em número de homicídios, hoje é a 26ª.

Agora - Mas mesmo assim o paulista continua se sentindo inseguro.
Alckmin - Claro, e nós reconhecemos isso. Então, o que nós vamos fazer: do lado da polícia militar, maior presença na rua, atividade delegada e aumento do efetivo policial, com condições de trabalho. Do outro lado, vamos aumentar o número de delegados, investigadores e melhorar a inteligência policial. Radiodigitalização: viaturas policiais com palm tops, com GPS, enfim, toda a tecnologia e muita investigação.

Agora - A implantação dessa tecnologia é viável financeiramente?
Alckmin - É viável. Já está sendo implantada radiodigitalização numa parte importante do Estado. Vamos é ampliar esse trabalho.

Agora - No seu plano de governo, o senhor disse que vai aumentar as bases comunitárias da polícia. O que isso vai mudar?
Alckmin - Vou dobrar o número de bases comunitárias da Polícia Militar, de 480 para 1.000, e trazer a polícia para mais perto da comunidade.

Agora - O senhor disse que vai contratar 6.000 policiais militares. Quando vai lançar o concurso?
Alckmin - Nós já temos uma parte dos concursos em andamento. Então, eu diria que, até maio do ano que vem, acho que dá para ter mais 2.500 policiais militares. E vamos aumentar o número de videoconferências para que o policial não tenha que fazer escolta.

Agora - E o salário dos policiais, vai aumentar?
Alckmin - Vai aumentar. Isso é uma coisa que você não tem como definir antes, mas, durante o governo, nós vamos valorizar o policial com salário e com condições de trabalho.

Agora - A oposição afirma que o senhor levou presídios para o interior mas não compensou as prefeituras. Como ficará essa situação?
Alckmin - Isso [a compensação] a gente já tem feito. Nós tiramos 17 mil presos de São Paulo. E nós tínhamos perto de 40 mil presos em cadeias. Hoje, são 8.000, que eu pretendo zerar em quatro anos, fazendo CDPs (Centros de Detenção Provisória).

Agora - O número de rebeliões na Fundação Casa tem aumentado novamente. Como o senhor vai controlar isso?
Alckmin - O trabalho que nós iniciamos e implementamos deu certo, com unidades. Os casos de rebe¬lião são raros, mas você pode ter. O trabalho de montar unidades menores e descen¬tralizadas em todo o Estado foi o correto, mas, quando há milhares de adolescentes com privação de liberdade, pode ocorrer problema.

Agora - O que vai ser feito para combater o tráfico de drogas e o crime organizado?
Alckmin - Primeiro, para o crime organizado, vamos aumentar a cultura da investigação policial. Segundo, no caso da droga, além da prisão dos traficantes, eu quero destacar o esforço que nós vamos fazer para ampliar bastante o número de vagas nos serviços próprios do governo de saúde mental para internar os dependentes químicos, e nos convênios com entidades que têm expertise nessa área. São duas ações, uma de enfrentamento do tráfico, que também precisa ser federal, porque a cocaína que entra pelas fronteiras, e a outra de tratamento.

Índice

PUBLICIDADE

24/09/2017

Fibromialgia causa dores insuportáveis pelo corpo

Motorista é preso acusado de participar de morte de atleta

Gays que buscaram reversão divergem sobre procedimento

Lojas tradicionais resistem ao tempo

Vaqueira toca boiada em pasto no fim da marginal

23/09/2017

Exército cerca Rocinha após tiroteios e onda de pânico

Ex-médico que matou amante se suicida para não ser preso

Policiais e guarda pegam 603 anos por megachacina

Viagens de Doria custam R$ 88 mil para a prefeitura

Comerciantes do Mercadão temem aumento de taxa

Oito AMAs de Itaquera devem ficar sem serviço de urgência

22/09/2017

Caminhoneiro é suspeito de fingir crime para furtar carga

Moradores reclamam de falta d'água à noite em São Paulo

Câmara aprova o pacote de concessões proposto por Doria

80 novos vagões para linhas da CPTM estão ao relento

21/09/2017

Prefeitura faz faixa verde de pedestre

Jovem é morto por agente ao tentar abrir carro errado

Falta de professor lota salas de aula de escola estadual

CET de Haddad pede furadeira para compensação de trânsito

Gestão dá espaço a sócios de empresa fundada por Doria

Gestão Doria quer mudar atendimento em hospitais

20/09/2017

Bloqueio de Bilhete Único lota posto

Polícia prende PM suspeito de matar jogador de hóquei

Doria quer imposto para serviço de vídeo pela internet

Pane paralisa serviço de CNH em autoescolas e Detran

Três escolas municipais vão perder o período integral

19/09/2017

Passageira diz que foi alvo de produto químico no metrô

Polícia detém três suspeitos de estupro coletivo em Peruíbe

Capital tem menos lixo varrido no primeiro semestre

Moradores decidem refazer lombadas retiradas pela CET

Gestão Doria quer mais rigor em canetada de marronzinho

18/09/2017

Estações da CPTM e do metrô têm escadas rolantes paradas

Fãs dão adeus a Marcelo Rezende em SP

Júri de chacina começa hoje com segurança reforçada

Internet tem venda ilegal de hormônios para trans

Aplicativos de condomínio ajudam a organizar prédio

17/09/2017

Bebês só devem tomar suco após o primeiro ano de vida

Ladrões em fuga batem em carros e atropelam pedestre

Alunas da 6ª série ajudam a criar aplicativo de merenda

Tinder para cristãos prega sexo só depois do casamento

Dois professores são alvo de agressões por dia no Estado

16/09/2017

Ônibus cai em ribanceira e mata três a caminho da praia

Surra para corrigir filha não é lesão corporal, decide juiz

Campanha dará 21 vacinas a crianças hoje

Obras de Fábrica de Cultura em Diadema estão atrasadas

Prefeitura atrasa resposta a seis em dez reclamações

15/09/2017

PMs vão a júri popular por chacina que teve 17 mortos

Capital tem dia mais seco do ano e mais quente do inverno

Escadões do centro são sujos, inseguros e malconservados

Maior procura na fila da creche é de vaga para bebê

Mais notícias: 1 2 3 4 5 Próximo

De que você precisa?

Copyright Agora. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação,
eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br).