Nas ruas
20/09/2010

Alckmin afirma que vai ampliar o 'bico oficial'

Camila Brandalise
do Agora

Se voltar a governar o Estado, o tucano Geraldo Alckmin (PSDB), 57 anos, promete tecnologia para aumentar a capacidade de investigação da polícia e reduzir a sensação de insegurança do paulista. Ele ainda diz que vai incentivar o 'bico oficial' dos PMs.

Agora - Seu plano de governo prevê ampliar as chamadas atividades delegadas. Como o senhor fará isso? Em quais cidades?
Geraldo Alckmin - Sim, porque a atividade delegada deu certo em São Paulo, em parceria com a prefeitura. O policial recebe R$ 1.000 a mais. A população ganha porque é mais polícia na rua fazendo prevenção. E nós pretendemos expandir isso para todo o Estado de São Paulo.

Agora - Em quais cidades?
Alckmin - Isso não está definido. Será onde houver necessidade.

Agora - Pagar policiais não é uma função do Estado? Por que passar isso para a prefeitura?
Alckmin - Eu acho que é uma parceria, porque o município tem um papel importante na segurança pública. Acho que quanto mais o Estado e as prefeituras estiverem integrados na questão da segurança, melhor.

Agora - Alguns índices de criminalidade, como homicídio, caíram em São Paulo. Em compensação outros aumentaram, como roubos na saída dos bancos. Como o senhor explica isso, e como fazer para combater esse quadro?
Alckmin - Essa é uma guerra em que você tem que vencer uma batalha todo dia. A cidade de São Paulo era a quinta entre as capitais em número de homicídios, hoje é a 26ª.

Agora - Mas mesmo assim o paulista continua se sentindo inseguro.
Alckmin - Claro, e nós reconhecemos isso. Então, o que nós vamos fazer: do lado da polícia militar, maior presença na rua, atividade delegada e aumento do efetivo policial, com condições de trabalho. Do outro lado, vamos aumentar o número de delegados, investigadores e melhorar a inteligência policial. Radiodigitalização: viaturas policiais com palm tops, com GPS, enfim, toda a tecnologia e muita investigação.

Agora - A implantação dessa tecnologia é viável financeiramente?
Alckmin - É viável. Já está sendo implantada radiodigitalização numa parte importante do Estado. Vamos é ampliar esse trabalho.

Agora - No seu plano de governo, o senhor disse que vai aumentar as bases comunitárias da polícia. O que isso vai mudar?
Alckmin - Vou dobrar o número de bases comunitárias da Polícia Militar, de 480 para 1.000, e trazer a polícia para mais perto da comunidade.

Agora - O senhor disse que vai contratar 6.000 policiais militares. Quando vai lançar o concurso?
Alckmin - Nós já temos uma parte dos concursos em andamento. Então, eu diria que, até maio do ano que vem, acho que dá para ter mais 2.500 policiais militares. E vamos aumentar o número de videoconferências para que o policial não tenha que fazer escolta.

Agora - E o salário dos policiais, vai aumentar?
Alckmin - Vai aumentar. Isso é uma coisa que você não tem como definir antes, mas, durante o governo, nós vamos valorizar o policial com salário e com condições de trabalho.

Agora - A oposição afirma que o senhor levou presídios para o interior mas não compensou as prefeituras. Como ficará essa situação?
Alckmin - Isso [a compensação] a gente já tem feito. Nós tiramos 17 mil presos de São Paulo. E nós tínhamos perto de 40 mil presos em cadeias. Hoje, são 8.000, que eu pretendo zerar em quatro anos, fazendo CDPs (Centros de Detenção Provisória).

Agora - O número de rebeliões na Fundação Casa tem aumentado novamente. Como o senhor vai controlar isso?
Alckmin - O trabalho que nós iniciamos e implementamos deu certo, com unidades. Os casos de rebe¬lião são raros, mas você pode ter. O trabalho de montar unidades menores e descen¬tralizadas em todo o Estado foi o correto, mas, quando há milhares de adolescentes com privação de liberdade, pode ocorrer problema.

Agora - O que vai ser feito para combater o tráfico de drogas e o crime organizado?
Alckmin - Primeiro, para o crime organizado, vamos aumentar a cultura da investigação policial. Segundo, no caso da droga, além da prisão dos traficantes, eu quero destacar o esforço que nós vamos fazer para ampliar bastante o número de vagas nos serviços próprios do governo de saúde mental para internar os dependentes químicos, e nos convênios com entidades que têm expertise nessa área. São duas ações, uma de enfrentamento do tráfico, que também precisa ser federal, porque a cocaína que entra pelas fronteiras, e a outra de tratamento.

Índice

PUBLICIDADE

24/02/2018

Haddad e Doria desprezam projeto para o Ibirapuera

Mortes por febre amarela no Estado sobem para 93

Com paus e pedras, grupo faz quebra-quebra no centro

Exército faz foto e ficha moradores de favelas no Rio

Mais um é assassinado em disputa pelo poder no PCC

23/02/2018

Suposto operador do PSDB tinha R$ 113 milhões na Suíça

Dono de casa de câmbio leva tiros em emboscada

Polícia Militar do Rio tem mais sargentos que soldados

Policial vira réu por mortes durante racha na Imigrantes

Hospital referência para febre amarela tem menos leitos

Falta informação sobre febre amarela em UBSs de Itaquera

22/02/2018

Vereadores usam grana com troféus e site desatualizado

Exército terá que recuperar a estrutura da polícia no Rio

Jovem é morto em roubo em ponto de ônibus no Morumbi

Parque do Carmo é fechado por risco de febre amarela

Demora de ônibus é principal reclamação de passageiros

21/02/2018

Grávidas e mães de crianças vão para prisão domiciliar

Exército cerca favelas para sufocar traficantes no Rio

Polícia prende 48 suspeitos de pedofilia na Grande SP

Réu em 12 processos vai assumir o lugar de Maluf

Doria volta a atrasar entrega do Hospital de Parelheiros

20/02/2018

Motorista tem cabeça furada durante briga de trânsito

Temer quer mandado coletivo para entrar em casas no Rio

Estudantes são dispensados em greve da rede municipal

UBSs entregues por Haddad ainda estão sem funcionar

19/02/2018

Pátios de delegacias ainda têm carros abandonados

Número 1 do PCC fora dos presídios é morto no Ceará

Subsecretário é indiciado por atentado contra jornalista

Desafios da internet colocam crianças e jovens em risco

De olho na sucessão em SP, França intensifica agenda

Daniela Mercury fecha o Carnaval com samba e axé

Limpeza da caixa-d'água deve ser feita 2 vezes ao ano

18/02/2018

Investigadores acusam PMs de abuso em ação no tráfico

Polícia sucateada é desafio de fogo para intervenção

Saiba como se exercitar nos aparelhos de ginástica de praças

Mãe que ficou presa em cela com bebê diz ser inocente

Justiça condena secretário de Doria por fraude no Metrô

Anitta usa biquíni de fita no Rio de Janeiro

Claudia Leitte leva multidão à 23 de Maio em festa baiana

17/02/2018

Atrase o seu relógio em 1 hora à meia-noite de hoje

Jovem que ficou em cela com bebê deixa prisão

Rainhas do axé fecham a folia

Estado confirma 3 mortes por febre amarela na capital

Muita mídia, diz interventor sobre violência atual no Rio

Temer inicia intervenção federal na segurança do Rio

Intervenção no Rio complica reforma das aposentadorias

16/02/2018

PM aposentado é morto ao reagir a assalto no Jaguara

Chuva recorde mata 4 e deixa rastro de destruição no Rio

Menino foge do Peru para conhecer ídolos em Sorocaba

AACD fecha unidade na Mooca por falhas na energia elétrica

Mais notícias: 1 2 3 4 5 Próximo

De que você precisa?

Copyright Agora. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação,
eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br).