Nas ruas
10/07/2017

Em noite fria, prefeitura não recolhe morador de rua

William Cardoso
do Agora

A gestão João Doria (PSDB) ignora moradores de rua que passam frio na capital. Foi o que constatou a reportagem do Agora, entre a noite de domingo e a madrugada de segunda-feira passada.

Com o termômetro oscilando entre 11ºC e 12ºC, o Agora localizou cinco lugares da capital onde pessoas estavam dormindo ao relento. A reportagem acionou a prefeitura pelo telefone 156 e em nenhum ponto houve a abordagem dos moradores de rua.

Funcionários da Cape (Coordenadoria de Atendimento Permanente e de Emergência) deveriam abordar, conversar e tentar convencer essas pessoas a ir para um abrigo. No entanto, eles passaram com o veículo em frente aos moradores de rua e não pararam –isso quando foram até os locais indicados.

No dia seguinte, quando a reportagem voltou a ligar para o 156 questionando o que foi feito, a prefeitura disse que "passou nos locais, mas os moradores de rua não foram localizados".

A gestão Doria tem feito propaganda pedindo para a população ligar para o telefone 156 sempre que for vista uma pessoa dormindo na rua quando a temperatura ou a sensação térmica forem inferiores a 13ºC.

A reportagem ligou pela primeira vez para o 156 às 21h20 de domingo, solicitando o resgate de uma família no canteiro central da av. Professor Noé de Azevedo, na Vila Mariana (zona sul). Os problemas começam aí: cinco minutos de espera só para a reportagem conseguir falar com uma atendente.

A funcionária disse que o envio de uma equipe poderia demorar até três horas. O Agora esperou. Uma hora depois, a perua da Cape passou bem devagar e, ao se aproximar da barraca com a família, foi embora. Os funcionários nem desceram do veículo.

A reportagem usou o mesmo procedimento para pedir ajuda a moradores de rua em outros quatro locais. Em nenhum dos casos o veículo passou, e as pessoas permaneciam ao relento ao menos até as 3h30.

Protocolos

Na terça-feira, com os protocolos em mãos, a reportagem pediu via 156 esclarecimentos sobre qual destino foi dado aos pedidos de resgate.

Segundo o atendente, a Cape respondeu que não havia localizado os moradores de rua em nenhum dos cinco pontos solicitados.

Em todos os casos, a reportagem passou endereços detalhados (com nome da rua, altura, pontos de referência e quantidade de pessoas em situação de rua).

Perua deixa para trás quatro crianças

A perua da Cape (Coordenadoria de Atendimento Permanente e de Emergência) deixou para trás na noite gelada do domingo quatro crianças, de 11 meses a 7 anos. Elas estavam em uma barraca com os pais no canteiro central da avenida Professor Noé de Azevedo, na Vila Mariana (zona sul).

Os coletores de reciclagem e artesãos Lucas Francisco Rosa, 27 anos, e Janaína Rodrigues Moreira, 24, vivem na rua desde que o barraco onde moravam no Parque São Rafael (zona leste) pegou fogo, há quatro anos. Eles não se separam de seus quatro filhos, Davi, 7, Daniel, 5, Yasmin Kerollayne, 3 anos, e Wendel Mateus, 11 meses.

Janaína conta que a família já chegou a viver em um abrigo da prefeitura, mas o local recebia usuários de drogas e havia muitas brigas, o que fez com que decidissem retornar às ruas.

"Falaram que teria serviço, que conseguiríamos trabalhar com carteira assinada, com escola para as crianças. Chegamos lá e não era nada disso", afirma.

No meio da rua, eles contam com a solidariedade das pessoas que passam por lá e deixam alimentos e roupas. Lucas, o pai, diz que até conseguiria pagar um pequeno aluguel com o que ganha com reciclagem e artesanato. "O problema é encontrar alguém que alugue para uma família com quatro crianças. Ninguém aceita", diz

Faltam vagas, dizem especialistas

Falta de vagas em abrigos e de profissionais capacitados são alguns dos problemas apontados por especialistas como responsáveis pela precariedade no atendimento à população de rua na capital. Segundo eles, o serviço falha ao não fazer a abordagem das pessoas.

Vice-presidente do Cress (Conselho Regional de Serviço Social), Patrícia Ferreira da Silva afirma que a prefeitura não está preparada para atender os moradores de rua durante o inverno. "Se não há vagas suficientes para acolher essa população, abordar é uma tarefa inútil. Hoje, se faz remendos. Não há uma fiscalização séria sobre isso. Não há supervisão técnica. Há uma alta rotatividade entre as pessoas que trabalham nesse setor.

Segundo Karina, também falta espaço adequado para receber famílias inteiras. "São Paulo conta com esse serviço, mas é muito reduzido. A mãe fica com os filhos em um lugar e o pai em outro, para garantir que um adulto fique com as crianças. No caso, a mulher", diz.

Professor de sociologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie e especialista em população de rua, João Clemente de Souza Neto afirma que falta estrutura. "Tem mais gente que capacidade de atendimento. No último ano, aumentou muito a população de rua. A estrutura da prefeitura tem diminuído. Quando o governo fala em redução de custos, reduz entre os mais fragilizados".

Índice

PUBLICIDADE

22/07/2017

Jovem é morto a pedradas em Taipas, afirma família

Laudo aponta falhas em obra parada de posto de saúde

Prefeitura alarga rua, e poste fica no meio do caminho

Cresce número de multas por falta de seta na capital

21/07/2017

Acusada de dar golpes até para colocar silicone é presa

Doria vai completar um mês fora do país desde a posse

Justiça manda fechar prédio centenário ao lado da Luz

Postos de saúde municipais voltam a ficar sem remédios

20/07/2017

Polícia prende suspeito de matar fundador da Mancha

Polícia detém quatro por estupro coletivo no interior

Prefeitura vai cortar doce e salsicha da merenda escolar

Mortes no trânsito crescem 24% em junho na capital

Prefeitura remove barracos de moradores de rua no frio

19/07/2017

Jovem que furtava livros é preso com 379 exemplares

Rapaz é preso por aliciar jovens para jogar Baleia Azul

Temperatura despenca e a sensação térmica chega a 4°C

Estudante de curso semestral deve renovar o passe livre

Sem grana, obra do hospital de Parelheiros está parada

18/07/2017

Juíza manda madrasta de Isabella para o semiaberto

Advogado é liberado pela Justiça após pagar fiança

Frio volta e capital deve ter temperatura mínima de 8°C

Parque do Carmo sofre com lixo, mato alto e abandono

Vizinhos de hospital para bichos reclamam de sujeira

17/07/2017

Prédio ocupado por sem-teto nos Jardins opõe vizinhos

Faltam opções de comida saudável e barata em parques

Quatro bairros da zona leste têm mais mortes em assalto

Dúvidas no ensino médio

Cemitérios têm lixo, túmulos quebrados e até cracolândias

Prédio pode proibir plantas na sacada se houver perigo

16/07/2017

Ônibus dá corte de cabelo de graça para moradores de rua

Festas de reggae com DJ ganham força na periferia

Casa de Doria é pichada em protesto contra privatizações

Lista do auxílio-aluguel tem indícios de fraude na capital

Fratura de fêmur é o que mais preocupa na queda de um idoso

15/07/2017

PM condenado por tortura volta às ruas como capitão

Advogado é preso após bater carro e matar comissário

Qualidade do ar piora após 30 dias sem chuva na capital

Hidrante de rua não funciona, e Justiça determina troca

14/07/2017

PMs usaram força exagerada com catador, diz corregedor

Palmeirense é esfaqueado e morto por corintianos

Onda de furtos na zona leste deixa carros sem as rodas

Após cortes, Doria anuncia R$ 10 mi para tapa-buraco

AMA no Jaraguá é primeira a atender como posto de saúde

13/07/2017

Catador é morto com dois tiros por PM em Pinheiros

Ciclista é esfaqueado em assalto na ciclovia da Radial

Dupla armada em moto faz arrastão em ruas da zona sul

Tribunal manda empresas taparem 6.862 buracos em SP

Motoristas e aplicativos criticam regra da prefeitura

12/07/2017

Ex-namorado mata garota na frente da mãe e das filhas

Aplicativo só poderá ter carro da capital

Mais notícias: 1 2 3 4 5 Próximo

De que você precisa?

Copyright Agora. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação,
eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br).